IRIS FM
91.4 FM
Regional

Azambuja – Comboio com 15,4% de lotação em hora de ponta

Esta segunda-feira o primeiro comboio a chegar à estação do Espadanal, vindo de Lisboa, registou uma lotação, em hora de ponta, de “15,4%, um valor muito inferior aos 2/3 permitidos por lei”, indicou o Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Apesar dos dados reportados serem inferiores à lotação máxima, o Ministério das Infraestruturas e da Habitação vai promover nos próximos dias uma reunião sobre as condições de transporte dos passageiros que utilizam a linha da Azambuja, nomeadamente todos aqueles que trabalham nas empresas de logística da região.

Além do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e coordenador regional de Lisboa e Vale do Tejo do combate à pandemia da covid-19, Duarte Cordeiro, a reunião vai convocar as empresas CP — Comboios de Portugal e IP — Infraestruturas de Portugal, bem como a Câmara Municipal da Azambuja e os representantes das empresas da plataforma logística.

Antes do comunicado do Ministério das Infraestruturas e da Habitação, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares já tinha adiantado a realização desta reunião.

Duarte Cordeiro falou aos jornalistas no final de uma reunião com a Câmara Municipal de Azambuja, no distrito de Lisboa, autoridades de saúde e representantes das empresas da plataforma logística para discutir os casos da covid-19 que surgiram na zona.

“Saímos desta reunião com a necessidade de marcar uma reunião com a CP no sentido de adotar um comportamento mais pedagógico relativamente aos trabalhadores dos transportes públicos, quanto à aglomeração que eles têm, nomeadamente à saída da estação e à verificação da utilização dos transportes públicos”, apontou Duarte Cordeiro, que coordena a resposta à covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo.

A preocupação com as condições dos transportes públicos, nomeadamente dos comboios, nos quais milhares de trabalhadores se deslocam para o concelho de Azambuja, já tinha sido manifestada pelo presidente da autarquia, Luís de Sousa (PS), e foi hoje também enunciada pelas empresas presentes naquela plataforma logística.

Há uma semana, numa resposta escrita enviada à Lusa, fonte da CP ressalvou que a empresa “tem em curso, desde o mês de março, uma ampla operação de higienização e desinfeção dos comboios, que já abrangeu, no último mês, mais de 14.100 intervenções na sua frota”.

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, a solução passa agora por “monitorizar a situação nos próximos dias e atuar na respetiva proporcionalidade”.

Na base destas reuniões estão os 101 casos de covid-19 que surgiram na empresa de produtos alimentares Avipronto, situada na Plataforma Logística de Azambuja, que fechou provisoriamente.

Entretanto, a empresa retomou a laboração com cerca de 30 trabalhadores, divididos em dois turnos.