IRIS FM
91.4 FM
Mundo

(Multimídia) Perfil: Xi Jinping, o homem que lidera o PCC em nova jornada

Beijing, 6 nov (Xinhua) — Ao longo de 2021, um ano especial na história da China, a agenda de Xi Jinping tem estado cheia.

Nos últimos meses, ele discursou numa cerimônia que marcou o centenário do Partido, anunciou a realização de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos, inspecionou o Tibet, falou com astronautas que trabalham na primeira estação espacial da China, participou de reuniões online das Nações Unidas e manteve conversas por telefone ou vídeo com líderes mundiais, incluindo o presidente russo Vladimir Putin e o presidente dos EUA Joe Biden.

Na próxima semana, Xi, secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC), participará de um plenário de alto nível do Partido — a sexta sessão plenária do 19º Comitê Central do PCC. Um documento marcante será apresentado nesta importante reunião — a resolução sobre as principais conquistas e experiências históricas dos 100 anos de esforços do PCC.

Xi Jinping faz um importante discurso em uma cerimônia para marcar o 100º aniversário da fundação do Partido Comunista da China em Beijing, capital da China, em 1º de julho de 2021. (Xinhua/Ju Peng)

Poucos partidos políticos no mundo inteiro poderiam ter uma história tão longa e um período ininterrupto tão longo de governança do Estado. O PCC tem sido o partido no poder da China por 72 anos. Atualmente, Xi é o núcleo da liderança do PCC. Antes dele, gerações de lideranças coletivas centrais se estenderam por décadas com Mao Zedong, Deng Xiaoping, Jiang Zemin e Hu Jintao como representantes-chefe.

Desde que foi eleito secretário-geral do Comitê Central do PCC em novembro de 2012, Xi tem sido visto como um homem de determinação e ação, um homem de pensamentos e sentimentos profundos, um homem que herdou um legado mas ousa inovar, e um homem que tem visão prospectiva e está comprometido a trabalhar incansavelmente.

Sob sua liderança, a China está se tornando um país poderoso e agora está entrando em uma era de força, segundo o Channel News Asia.

Na nova jornada, Xi é sem dúvida a figura central no traçado do curso da história. Como ele vai liderar o Partido diante das oportunidades e desafios? Como ele trará a China de volta ao palco central do mundo? Hoje, o mundo está observando Xi de perto como há nove anos.

CAMINHANDO COM O POVO

Em setembro, durante uma inspeção à vila de Gaoxigou, na Província de Shaanxi, noroeste do país, Xi parou em terras agrícolas para verificar as plantações e conversar com os aldeões que trabalhavam nos campos. Xi saudou as realizações do alívio da pobreza local. Gaoxigou era uma aldeia pobre; hoje é próspera graças aos incansáveis esforços dos quadros e aldeões.

Foi em 1974, em Liangjiahe, Shaanxi, a cerca de 150 quilômetros de Gaoxigou, que Xi se juntou ao Partido. Ele tinha apenas 15 anos de idade quando chegou a Liangjiahe em 1969 como um “jovem educado”. Ele passaria os sete anos seguintes vivendo na pequena aldeia no rural Planalto Loess; ao final de um dia de trabalho, ele retornaria à sua primitiva casa na caverna e dormiria em uma simples cama de barro. Levaria 38 anos e vários postos de trabalho em vários níveis da hierarquia do Partido até que fosse elevado ao cargo mais alto.

Depois de ingressar no PCC, Xi se tornou secretário do Partido em Liangjiahe. Expondo seu calibre, um de seus colegas da aldeia disse que Xi “trabalhava conscienciosamente, tinha muitas ideias e podia unir a população e os quadros”.

Recordando seu tempo na aldeia pobre, Xi disse que o que ele queria mais do que tudo era possibilitar que os aldeões “tivessem carne em seus pratos”.

Para melhorar a vida daqueles que chamavam a comunidade de casa, Xi iniciou vários projetos, incluindo poços, campos em terraços e fossos geradores de metano. Estes projetos “simples” teriam um impacto significativo na vida, no trabalho e nas atitudes dos aldeões.

Em seu tempo livre, o jovem Xi devorava o máximo de livros que podia. Em particular, ele leu Das Kapital três vezes; suas reflexões sobre o trabalho seminal encheram 18 cadernos.

Seu pai, Xi Zhongxun, estava entre a primeira geração de líderes centrais do PCC. Xi Jinping evocava com frequência a sabedoria que lhe foi transmitida pelo ancião Xi. Inspirado por um livro escolar muito amado, ele decidiu que carregaria a tocha revolucionária desde tenra idade.

Em 1975, Xi foi admitido na prestigiosa Universidade Tsinghua em Beijing. Após se graduar, ele trabalhou pela primeira vez no escritório geral da Comissão Militar Central antes de se mudar para Zhengding, um distrito na Província de Hebei, no norte do país, em 1982.

Recordando a deslocação para Zhengding, Xi disse que se voluntariou para trabalhar em nível de base entre o povo. Ele disse que queria “amar o povo como ele ama seus pais”.

Depois de Zhengding, a carreira política de Xi o levou às províncias costeiras de Fujian e Zhejiang e à metrópole de Shanghai. Aonde quer que ele fosse, seus laços estreitos com o povo eram notáveis. Ele escreveu ensaios sinceros em memória a seus falecidos amigos e colegas em Zhengding. Ele usou seu próprio dinheiro para ajudar a financiar o tratamento médico de um aldeão de Liangjiahe.

O cuidado de Xi com o povo pode ser visto em todos os aspectos de seu trabalho. Zhang Hongming, um de seus colegas em Zhejiang, ainda se lembra da atitude e da ética de trabalho de Xi quando a província foi atingida por tufões.

“Mesmo que nove de nossas dez evacuações sejam em vão, ainda precisamos fazer isso para garantir a segurança absoluta do povo”, disse Zhang, lembrando as instruções de Xi.

A filosofia centrada no povo de Xi explica por que ele ordenou esforços inabaláveis para salvar a vida das pessoas a todo custo durante a epidemia da COVID-19, disse Liu Jingbei, professor da Academia de Liderança Executiva da China em Pudong, Shanghai.

Em 2007, Xi voltou a Beijing para fazer parte do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC e, mais tarde, tornou-se vice-presidente da China. Ele dirigiu as áreas como a construção do Partido, trabalho organizacional, assuntos de Hong Kong e Macau e os preparativos para os Jogos Olímpicos de Beijing 2008.

Aos 59 anos de idade, Xi foi elevado ao cargo mais alto do Partido em novembro de 2012. Cerca de um mês depois, ele enfrentou o frio do inverno para visitar os aldeões pobres em Hebei. Sentado com eles, Xi perguntou sobre sua renda, e se eles tinham comida suficiente e colchas e carvão suficiente para se manterem aquecidos durante o inverno. Xi disse que seu coração afundou quando viu que alguns aldeões ainda estavam lutando para sobreviver.

Xi Jinping visita aldeões carentes na aldeia de Luotuowan, na vila de Longquanguan, distrito de Fuping, Província de Hebei, norte da China, em 30 de dezembro de 2012. (Xinhua/Lan Hongguang)

FORTALECENDO O PARTIDO

O ano de 2021 é também o nono ano da campanha anticorrupção de Xi, a mais extensa da história chinesa. Não dá sinais de afrouxamento.

Mais de 20 funcionários e executivos de alto escalão do setor financeiro foram punidos ou investigados este ano. E nos últimos 30 dias ou mais, um ex-funcionário de nível ministerial no departamento de aplicação da lei do governo central foi investigado enquanto um outro foi punido.

Quando Xi foi eleito secretário-geral do Comitê Central do PCC, a China já era a segunda maior economia do mundo. Ainda assim, enfrentou desafios internos.

“Os fatos provam que, se a corrupção se espalhar, acabará levando à destruição de um partido e à queda de um governo”, disse Xi em um aviso severo.

Nos últimos nove anos, mais de 400 funcionários de nível ministerial ou superior foram punidos ou investigados, incluindo um ex-membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC e dois ex-vice-presidentes da Comissão Militar Central. De 2014 a 2020, mais de 8.300 fugitivos foram repatriados de mais de 120 países e regiões.

“Em um momento essencial, Xi virou a maré”, disse um editorial da mídia estrangeira.

Xi ordenou esforços para “fechar o poder na gaiola dos controles sistêmicos”. Ele também liderou o estabelecimento da Comissão Nacional de Supervisão. Todos os funcionários do setor público foram colocados sob supervisão após a reforma da supervisão.

Como secretário-geral do Comitê Central do PCC, Xi liderou esforços para formular e revisar cerca de 200 regulamentos intrapartidários. Ele também lançou cinco campanhas de educação em todo o Partido para reforçar os ideais e convicções dos membros do Partido e garantir que eles agissem com eficácia e em uníssono.

Xi também atribui grande importância à democracia intrapartidária. Os comentários solicitados dos membros do Partido agora são incorporados em todos os relatórios dos congressos nacionais do Partido, documentos revisados em sessões plenárias e principais documentos, decisões e políticas de reforma do Partido.

Em junho deste ano, o número de membros do PCC havia crescido para 95 milhões, 10 milhões a mais do que a população da Alemanha. Especialistas em assuntos da China dizem que o Partido tornou-se mais disciplinado, puro e poderoso.

Xi Jinping está desfrutando agora de um maior apoio dentro do PCC do que nunca, disse Neil Thomas, um observador sobre a China.

Em 2016, a sexta sessão plenária do 18º Comitê Central do PCC estabeleceu a posição de Xi como o núcleo do Comitê Central do PCC e de todo o Partido.

Sem um núcleo de liderança forte, o PCC teria dificuldade em unificar a vontade do Partido inteiro ou construir solidariedade e unidade entre pessoas de todos os grupos étnicos. Não seria capaz de realizar nada nem de realizar nenhuma de suas “grandes lutas com muitas novas características históricas”, disse Wang Junwei, pesquisador do Instituto de História e Literatura do Partido do Comitê Central do PCC.

Em outubro de 2017, o Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas para Uma Nova Era foi oficialmente instituído no 19º Congresso Nacional do PCC. O pensamento foi consagrado no Estatuto do PCC e na Constituição da China.

Como Mao Zedong e Deng Xiaoping, Xi avançou na adaptação do Marxismo ao contexto chinês e o manteve relevante, disse Xin Ming, professor da Escola do Partido do Comitê Central do PCC (Academia Nacional de Governança).

TORNANDO A CHINA FORTE

Após a Guerra do Ópio de 1840, a China foi gradualmente reduzida a uma sociedade semicolonial e semifeudal. Foi intimidada por potências estrangeiras e sofreu com a pobreza e fraqueza.

“Que humilhação! A China foi pisoteada naquela época”, disse Xi ao relembrar aquela parte da história.

O PCC foi fundado em 1921 para mudar a situação.

De acordo com Han Qingxiang, professor da Escola do Partido do Comitê Central do PCC, a busca pela revitalização nacional é marcada por quatro marcos críticos: a fundação do Partido em 1921; a fundação da República Popular da China em 1949; o advento da reforma e abertura em 1978; e a nova era após o 18º Congresso Nacional do PCC em 2012.

Duas semanas após a eleição de Xi como secretário-geral do Comitê Central do PCC, ele apresentou “o Sonho Chinês” de revitalização nacional. Em outubro deste ano, em um evento comemorativo do 110º aniversário da Revolução de 1911, Xi mencionou a “revitalização” 25 vezes em seu discurso de 35 minutos, tornando-a uma das mensagens mais enfatizadas.

Xi acredita que a revitalização exige um design estratégico e trabalho árduo. Ele assumiu a liderança por ser um homem de ação. Só em 2019, ele participou de mais de 500 eventos importantes. Seu itinerário de trabalho abrangeu fins de semana de cerca de 30 semanas naquele ano. Ele revisou cada esboço dos principais planos de reforma.

Embora Xi tenha pouco tempo para si, ele consegue encontrar tempo para nadar. Isso e o trabalho físico durante sua juventude garantiram que ele tivesse vigor suficiente para lidar com os assuntos do Partido, do governo e do exército. Mais importante, ele é movido por um senso de missão.

“A felicidade é alcançada através do trabalho duro”, disse ele.

Ele costuma visitar fazendas, aldeias piscatórias, casas de agricultores, pequenos restaurantes, supermercados, oficinas de fábricas, laboratórios, hospitais, escolas e até mesmo inspecionar lugares de criação de porcos e banheiros rurais para obter informações em primeira mão sobre a vida da população.

Xi Jinping inspeciona uma escola primária da vila de Laoxian, distrito de Pingli, cidade de Ankang, Província de Shaanxi, no noroeste da China, em 21 de abril de 2020. (Xinhua/Xie Huanchi)

“Xi absorve conhecimento suficiente dia a dia, por isso é impossível enganá-lo com mentiras ou se gabando. Temos que ser honestos ao nos reportarmos a ele”, disse Zhang Mengjin, um ex-colega de Xi na Província de Zhejiang.

Xi passou no teste em face de inúmeros obstáculos e crises nos últimos nove anos.

No início de 2015, quando o Iêmen caiu no caos, ele ordenou à marinha que evacuasse centenas de cidadãos chineses que estavam lá.

Quando os Estados Unidos iniciaram uma guerra comercial contra a China, ele elaborou a estratégia de que a China não quer uma guerra comercial, mas não tem medo dela e lutará em uma, se necessário.

Ele também disse que fortalecer o diálogo e a cooperação é a única escolha certa para os dois países. “O vasto Oceano Pacífico tem espaço suficiente para os dois grandes países China e Estados Unidos”, disse Xi.

Desde a realização de patrulhas regulares nas águas das Ilhas Diaoyu, autodefesa na chamada arbitragem do Mar do Sul da China, busca de soluções para conflitos de fronteira China-Índia, até a facilitação do retorno de chineses detidos ilegalmente no exterior, Xi liderou o planejamento estratégico e tático e, quando necessário, interveio pessoalmente.

Em 2019, quando uma agitação social assolou Hong Kong, ele dirigiu esforços para salvaguardar a causa de “um país, dois sistemas” e esmagar as tentativas de instigar uma “revolução colorida”.

Na véspera do Ano Novo Lunar de 2020, com a epidemia de COVID-19 nublando as festividades, Xi passou uma noite sem dormir. No dia seguinte, ele convocou uma reunião da liderança do Partido para discutir a resposta do país. Antes da reunião, Xi havia tomado a decisão de aumentar as restrições ao movimento de pessoas e aos canais de saída em Hubei e Wuhan. O tempo mostrou como essa abordagem rígida era a única opção viável.

Xi Jinping fala com um paciente e profissionais médicos por vídeo no Hospital Huoshenshan em Wuhan, Província de Hubei, no centro da China, em 10 de março de 2020. (Xinhua/Ju Peng)

Xi introduziu “cisne negro” e “rinoceronte cinza” na linguagem do Partido. Han, professor da escola do Partido, identificou a prevenção e a neutralização de riscos como os principais destaques da nova era.

“É de fato uma responsabilidade enorme e uma tarefa árdua governar um país tão grande”, disse Xi ao responder a uma pergunta de um político estrangeiro. “Estou disposto a ser altruísta e me dedicar ao desenvolvimento da China. Não vou decepcionar o povo.”

ABRINDO NOVOS CAMINHOS DA REFORMA

Quando Xi assumiu o cargo como secretário-geral do Comitê Central do PCC, a força da China havia aumentado significativamente após mais de 30 anos de reforma e abertura. No entanto, não foi isento de problemas, incluindo pressão para baixo sobre a economia, disparidades de riqueza, danos ambientais e tensão social. As reformas também encontraram alguma resistência. Era necessária uma abordagem mais científica de alto nível.

Xi projetou um modelo chinês de modernização caracterizado por um caminho de desenvolvimento inovador, coordenado, verde e aberto para todos.

Xi Jinping aplaude o pessoal premiado com medalhas durante uma grande reunião para celebrar o 40º aniversário da reforma e abertura da China no Grande Palácio do Povo, em Beijing, capital da China, em 18 de dezembro de 2018. (Xinhua/Xie Huanchi)

Observadores dizem que esta visão de desenvolvimento tem como objetivo tirar a China socialista de uma armadilha de desenvolvimento dependente de um crescimento extenso e ineficiente à custa de danos ecológicos, mudando o país para um desenvolvimento de alta qualidade e evitando situações em que os ricos se tornem mais ricos e os pobres, mais pobres.

Como chefe da comissão central para o aprofundamento da reforma geral, anteriormente um grupo de liderança central, Xi lançou uma série de reformas que abriram novos caminhos ao mesmo tempo em que impulsionaram a reforma e abertura de Deng Xiaoping.

A reforma atingiu diversos campos, abrangendo políticas de uso da terra, construção do Partido em empresas estatais, procedimentos judiciais, planejamento familiar, políticas fiscais e tributárias, mercado imobiliário, ciência e tecnologia e antimonopólio.

Acima de tudo, uma medida de reforma se destaca: a modernização de instituições, que afeta diretamente o desenvolvimento e a estabilidade de longo prazo da China. Sua essência é a defesa e o aprimoramento do socialismo com características chinesas e a modernização do sistema e da capacidade de governança da China.

Por vezes, as reformas encontraram grandes dificuldades. Para abordar controvérsias e eliminar obstáculos, Xi tinha que dar a última palavra.

Xi liderou um grupo com tarefa de projetar o documento da terceira sessão plenária do 18º Comitê Central do PCC. O documento se concentrou no aprofundamento da reforma geral.

Funcionários e especialistas que participaram do projeto e das avaliações disseram que Xi conduziu pessoalmente a pesquisa e tomou decisões, facilitando muitos avanços. Por exemplo, a nova proposição “deixar o mercado desempenhar o papel decisivo na alocação de recursos” resultou da decisão vital de Xi.

“Sem a determinação do secretário-geral Xi, não teria sido possível implementar muitas reformas importantes”, afirmou uma fonte familiarizada com o processo.

Para reverter o dano ambiental, Xi exigiu que as fábricas poluidoras resolvam os problemas ou enfrentem o fechamento. Ele emitiu uma proibição à pesca por 10 anos para proteger o rio mais longo da China, o Yangtzé. Ele deu seis instruções para demolir mansões ilegalmente construídas nas Montanhas Qinling, lar de pandas gigantes e muitos outros animais selvagens raros.

Xi Jinping se inteira sobre a conservação ecológica das Montanhas Qinling na Reserva Natural Nacional de Niubeiliang, Província de Shaanxi, noroeste da China, em 20 de abril de 2020. (Xinhua/Ju Peng)

Para muitos chineses, as melhoras ambientais são mais óbvias. Em 2020, a porcentagem de dias com boa qualidade do ar era de 87% nas cidades de nível sub-regional e acima. A proporção de águas de superfície com qualidade bastante boa subiu para 83,4%. Como resultado, 89,5% dos chineses estavam satisfeitos com o meio ambiente.

As reformas tornaram a China mais aberta. Em 2013, a primeira zona-piloto de livre comércio foi estabelecida em Shanghai. Agora, o número de tais zonas chega a 21, incluindo toda a ilha de Hainan, que tem aproximadamente o tamanho de um pequeno país europeu. A lista negativa da China para investimentos estrangeiros foi ainda mais reduzida.

Enquanto alguns países optaram por erguer barreiras comerciais, a China se tornou anfitriã de uma série de feiras globais de comércio e investimento. Xi iniciou pessoalmente a Exposição Internacional de Importação da China, uma das múltiplas exposições de nível nacional em todo o país. A China também assumiu a liderança na ratificação da Parceria Econômica Abrangente Regional.

Até o final de 2020, a China lançou 2.485 planos de reforma em mais de sete anos. As metas e missões estabelecidas na terceira sessão plenária do 18º Comitê Central do PCC foram essencialmente cumpridas conforme o programado, anunciou Xi.

De 2013 a 2020, o PIB da China cresceu 6,4% a cada ano em média, contribuindo com mais de 30% ao crescimento econômico mundial em média por anos consecutivos. O PIB da China ultrapassou 100 trilhões de yuans em 2020, ou cerca de 70% da cifra dos Estados Unidos.

Em 2021, a China ficou em 12º lugar no Índice Global de Inovação, superior ao Japão, Israel e Canadá. É o maior receptor de investimento estrangeiro direto e o maior mercado consumidor do mundo.

Até agora, a conquista mais impressionante na nova era foi a realização da primeira “meta centenária”, ou seja, a construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos, disse Liu Ronggang, outro pesquisador do Instituto de História e Literatura do Partido do Comitê Central do PCC.

O termo moderadamente próspero, ou “Xiaokang” em chinês, origina-se do Livro das Canções da China antiga. É uma aspiração a uma vida confortável apreciada pelo povo chinês há milhares de anos.

O país tem o sistema de seguridade social mais extenso do mundo em escala e o maior grupo de renda média. A pobreza extrema acabou de uma vez por todas.

Nos últimos nove anos, cerca de 100 milhões de pessoas foram tiradas da pobreza extrema.

Xi ordenou que os membros e funcionários do Partido fossem enviados a aldeias empobrecidas para realizar medidas de alívio da pobreza com precisão na linha de frente.

Xi visitou cada uma das 14 áreas mais pobres contíguas do país. Eliminar a pobreza extrema foi comparado à luta de uma guerra. De fato, a campanha teve seus heróis caídos, com mais de 1.800 pessoas morrendo no cumprimento do dever.

Xi também reformou abrangentemente as forças armadas. Reiterando o princípio estabelecido por Mao Zedong de que “o Partido comanda a arma”, Xi introduziu uma série de reformas no sistema de liderança e comando, tamanho, estrutura e composição da força do exército. Ele instou as forças armadas a estarem prontas para o combate. Ele inspecionava regularmente bases militares. Ele embarcou no primeiro porta-aviões construído de forma independente pela China e no submarino nuclear de nova geração.

Xi Jinping embarca no porta-aviões Shandong e revista a guarda de honra em um porto naval em Sanya, Província de Hainan, sul da China, em 17 de dezembro de 2019. (Xinhua/Li Gang)

Gerd Kaminski, acadêmico jurídico e sinologista austríaco, disse que após o 18º Congresso Nacional do PCC, as características chinesas se tornaram um princípio orientador cada vez mais central em todos os assuntos significativos do desenvolvimento da China, incluindo sua filosofia de governo.

Nesse processo, o Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas para Uma Nova Era resistiu ao teste, disse Han Qingxiang. “Isso lidera efetivamente o curso histórico de revitalização nacional e influencia o mundo inteiro.”

CONTRIBUINDO PARA A COMUNIDADE GLOBAL

Xi tem estado na vanguarda dos esforços da China para se engajar e contribuir com a comunidade global.

Antes do início da pandemia da COVID-19, Xi visitou 69 países em 41 viagens e foi o primeiro chefe de Estado chinês a participar do Fórum Econômico Mundial em Davos. Ele disse que, embora gastar tanto tempo em visitas ao exterior possa ser considerado um “luxo”, ele vê isso como “algo que vale a pena”.

Sua agenda durante as visitas ao exterior é normalmente muito apertada e pode durar até a madrugada. Ele até passou seu aniversário durante uma visita ao exterior.

“Tudo o que nós comunistas chineses fazemos é para melhorar a vida do povo chinês, renovar a nação chinesa e promover a paz e o desenvolvimento para a humanidade”, disse Xi.

Altay Atli, um estudioso baseado em Istambul, Turquia, notou que há uma transformação da participação da China nos assuntos internacionais, sejam econômicos ou diplomáticos, sob a liderança de Xi, e que o mundo está testemunhando a emergência de um grande país com influência global.

“O mundo é tão grande, com tantos desafios, e é impossível que a voz da China não seja ouvida, as ideias de solução da China não sejam compartilhadas, e o envolvimento da China não seja necessário”, disse Xi.

Em 2013, Xi apresentou o conceito de “construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade”.

Ao elaborar as especificidades de sua visão, Xi propôs que a comunidade internacional deve promover a parceria, a segurança, o crescimento, os intercâmbios entre civilizações e a construção de um ecossistema sólido, citando um provérbio: “Os interesses a serem considerados devem ser os interesses de todos”.

Uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade vem de um excelente pedigree. Cientistas políticos notaram que a noção herda a ideia marxista de “uma associação em que o livre desenvolvimento de cada um é a condição para o livre desenvolvimento de todos”, e o ideal chinês de “harmonia”. É a mais recente proposta sobre relações exteriores apresentada pelo PCC, seguindo a “Teoria dos Três Mundos” de Mao Zedong e a “paz e desenvolvimento como dois temas mundiais principais” de Deng Xiaoping.

A resposta da comunidade internacional tem sido positiva. Quando Xi apresentou sua visão no Palácio das Nações, o Escritório das Nações Unidas em Genebra, em janeiro de 2017, políticos, diplomatas e celebridades de todo o mundo responderam com mais de 30 salvas de palmas durante 47 minutos.

Xi Jinping faz discurso “Trabalhar Juntos para Construir uma Comunidade com um Futuro Compartilhado para a Humanidade” no Escritório das Nações Unidas em Genebra, Suíça, em 18 de janeiro de 2017. (Xinhua/Rao Aimin)

Sob o conceito, Xi propôs uma nova abordagem das relações internacionais baseada na cooperação mutuamente benéfica e no princípio de alcançar o crescimento compartilhado através da discussão e colaboração na governança global.

“Que tipo de ordem internacional e sistema de governança melhor se adapta ao mundo e melhor se adapta às pessoas de todos os países? Isto é algo que deve ser decidido por todos os países através de consultas, e não por um único país ou por alguns poucos países”, disse ele.

O mesmo princípio incorpora na estrutura das relações entre os grandes países, como defendido por Xi, a qual apresenta estabilidade geral e desenvolvimento equilibrado. Em muitas ocasiões, ele enfatizou que se as nações mantiverem a comunicação e tratarem umas às outras com sinceridade, a “armadilha de Tucídides” pode ser evitada.

Até 2019, 180 países tinham estabelecido relações diplomáticas com a China, um aumento acentuado em relação a cerca de 30 nos anos 50. Nos últimos anos, cinco países da América Central e da região do Pacífico estabeleceram ou retomaram os laços diplomáticos com a China.

“Temos amigos em todos os cantos do mundo”, disse Xi.

Ao se encontrar com a chanceler alemã Angela Merkel por videoconferência em outubro, Xi a chamou de uma velha amiga: “O povo chinês valoriza a amizade; não esqueceremos os velhos amigos e manteremos sempre a porta aberta para você”.

No mesmo ano em que Xi pediu pela primeira vez ao mundo que construísse conjuntamente uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade, ele também propôs a Iniciativa do Cinturão e Rota (ICR). Até agosto de 2021, cerca de 172 países e organizações internacionais haviam assinado mais de 200 documentos de cooperação com a China sob este quadro. De acordo com um relatório do Banco Mundial, os projetos da ICR poderiam ajudar a tirar 7,6 milhões de pessoas da pobreza extrema e 32 milhões de pessoas da pobreza moderada em todo o mundo.

Xi visitou pessoalmente vários projetos da ICR, incluindo o Porto de Pireu, na Grécia, a usina siderúrgica Smederevo, na Sérvia, e o Parque Industrial China-Belarus em Minsk, Belarus.

O desenvolvimento global, no entanto, não deve ser realizado à custa do meio ambiente, e em 2020 Xi ofereceu um sinal claro de compromisso quando ele disse ao mundo que a China atingiria o pico das emissões de dióxido de carbono antes de 2030 e alcançaria a neutralidade de carbono antes de 2060.

“O mundo deve agradecer à China sua contribuição às respostas às mudanças climáticas”, disse o ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd.

Xi ofereceu o forte apoio da China ao Acordo de Paris há quatro anos e, sem o apoio da China, o acordo não seria como é agora, acrescentou Rudd.

O compromisso de Xi em oferecer ajuda vai além das questões ambientais e de desenvolvimento. Hoje, a China é uma força vital para abordar questões globais e regionais de foco de conflito, que vão desde a proliferação nuclear até a resposta pandêmica.

“Precisamos ‘dar as mãos’ um ao outro em vez de ‘deixar ir’. Precisamos ‘derrubar paredes’, não ‘erguer paredes'”, disse ele.

Alguns meses atrás, quando a retirada abrupta das tropas americanas desencadeou agitação no Afeganistão, Xi teve uma conversa por telefone com seu homólogo russo, Vladimir Putin, e se reuniu com líderes dos membros da Organização de Cooperação de Shanghai por videoconferência para pedir apoio à transição estável do Afeganistão, envolver o país no diálogo e ajudar o povo afegão.

Quando a pandemia de COVID-19 estourou, Xi pediu solidariedade e cooperação globais. Por sua instrução, a China forneceu materiais antivírus para mais de 150 países e 14 organizações internacionais e enviou 37 equipes médicas para 34 países.

Ele prometeu tornar as vacinas chinesas contra COVID-19 um bem público global e prometeu que a China forneceria 2 bilhões de doses de vacinas ao mundo este ano. O país também prometeu doar US$ 100 milhões ao COVAX.

Xi Jinping preside a Cúpula Extraordinária China-África sobre a Solidariedade contra a COVID-19 e faz um discurso em Beijing, capital da China, em 17 de junho de 2020. (Xinhua/Ding Haitao)

Nos últimos 100 anos, o país mais populoso do mundo esteve em uma jornada quase inacreditável, de uma nação atingida pela pobreza a uma em que as necessidades básicas são atendidas, e ao seu estado atual de prosperidade moderada. Xi considerou essa conquista uma contribuição para a humanidade.

Mais de 70% da redução mundial da pobreza nos últimos 40 anos foi na e pela China, o que significa que ela realizou sua meta de redução da pobreza sob a Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável dez anos antes do previsto.

Descrevendo suas impressões sobre Xi, María Fernanda Espinosa Garcés, presidente da 73ª sessão da Assembleia Geral da ONU, chamou-o de “capitão experiente” cujas contribuições, como a defesa do multilateralismo, a ICR e a noção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade, têm sido significativas.

CUMPRINDO NOVAS MISSÕES

O PCC planeja realizar a revitalização nacional por meio de duas metas, conhecidas como “duas metas centenárias”.

Durante os últimos nove anos, como o líder mais alto do Partido, Xi liderou o país na conclusão da primeira etapa e presidiu o planejamento da segunda etapa deste plano histórico.

Em primeiro lugar, a modernização socialista deve ser “basicamente realizada” até 2035 e, em segundo lugar, a China deve ser construída em um grande país socialista moderno que seja próspero, forte, democrático, culturalmente avançado, harmonioso e bonito até meados do século XXI, na altura do centenário da República Popular da China.

Esquemas suplementares apoiam esses objetivos abrangentes. Mais notavelmente, Xi liderou a elaboração das propostas da liderança do Partido para o 14º Plano Quinquenal (2021-2025) e os Objetivos de Longo Prazo até o Ano de 2035, que foram adotadas em outubro de 2020.

Xi descreveu o século passado do PCC como “um milagre histórico” e expressou confiança de que a revitalização da nação chinesa está se concretizando. No entanto, ele também alertou que não é hora para indecisões. “Neste momento crítico, não devemos parar, hesitar nem esperar”, disse Xi.

Ele alertou que alcançar a revitalização nacional não será um passeio no parque, e os próximos testes só serão mais complexos.

“Realizar este grande sonho exige uma grande luta”, disse ele.

Portanto, a iminente sexta sessão plenária do 19º Comitê Central do PCC chega em um momento significativo, já que uma resolução sobre as principais conquistas e experiências históricas dos 100 anos de história do Partido será discutida.

“Durante sua luta de 100 anos, o PCC acumulou ricas experiências, entendeu regras importantes, desenvolveu teorias de governança e ganhou sabedoria. Este grande tesouro deve ser resumido para inspirar melhor a governança do Partido”, disse Han Qingxiang.

Nos últimos 100 anos, o PCC adotou apenas duas resoluções relacionadas a questões históricas, em 1945 e 1981. Elas analisaram as causas e chegaram a conclusões sobre eventos e figuras históricas importantes, através das quais o Partido inteiro alcançou um consenso claro e, assim, tornou-se mais forte na unidade.

“As resoluções anteriores do Partido sobre questões históricas desempenharam um papel profundo na construção de consenso e na mobilização de força para cumprir novas missões. Isso é o que esperamos da próxima sessão plenária”, disse Wang Junwei, um pesquisador.

A história emergiu neste ano como uma palavra-chave para todos os membros do PCC. Uma campanha de ensino abrangente ajudou os quadros a reconhecer a história do Partido e um novo Museu do PCC foi inaugurado.

Em 18 de junho, Xi e seus colegas visitaram o museu, apreciaram as exposições como títulos emitidos pelo governo Qing usados para pagar a indenização de guerra exigida pelo desigual Tratado de Shimonoseki; o manuscrito das notas de Karl Marx de Bruxelas; a lista dos 58 membros do PCC quando o Partido foi fundado; o carro fabricado nos primeiros anos da República Popular da China; e o modelo do rover de Marte da China. Cada exibição foi um testemunho vívido de como o Partido liderou a China.

A exposição terminou com um “túnel do tempo”, ligando todas as conjunturas históricas significativas de 1921 até hoje, conduzindo o público para o futuro.

Xi uma vez citou Mao Zedong, dizendo que “depois de várias décadas, a vitória da revolução democrática do povo chinês, vista em retrospecto, parecerá apenas um breve prólogo para um longo drama. Um drama começa com um prólogo, mas o prólogo não é o auge”.

“A história não acabou, nem possivelmente acabará”, disse ele na conferência que marcou o 95º aniversário da fundação do PCC. “O PCC e o povo chinês têm plena confiança em sua capacidade de fornecer uma solução chinesa para ajudar na exploração de um sistema social melhor para a humanidade”.

Depois da visita à exposição, Xi e seus colegas fizeram um juramento em frente à bandeira do Partido, revivendo um ritual realizado por todos os novos membros do PCC.

“Lutarei pelo comunismo pelo resto da minha vida”, disse Xi, liderando o juramento.

Xi Jinping lidera outros líderes do PCC e do Estado, Li Keqiang, Li Zhanshu, Wang Yang, Wang Huning, Zhao Leji, Han Zheng e Wang Qishan para refazer o juramento de admissão no Partido depois de visitar uma exposição sobre a história do PCC no Museu do PCC em Beijing, capital da China, em 18 de junho de 2021. (Xinhua/Li Xueren)

METEOROLOGIA

ESTÁ A OUVIR
91.4 FM
COM IRIS FM

Atualização Diária COVID-19