IRIS FM
91.4 FM
Mundo

Correspondentes da CGTN visitam cemitério em Xinjiang para quebrar mentiras

Recentemente, um cemitério em Xayar, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, noroeste da China, tornou-se objeto de discussão internacional. A CNN informou que cemitérios da região estavam sendo demolidos pelas autoridades, destacando histórias como a de Aziz Isa Elkun, um poeta uigur que agora mora em Londres. Ele havia dito que não conseguia encontrar o túmulo de seu pai no Google Maps. Para descobrir a realidade, uma equipe da CGTN decidiu conferir se havia alguma verdade na reportagem da CNN.

“Não vejo Aziz desde o início de 2017. Ele voltou em fevereiro de 2017 para cuidar de seu pai, que estava gravemente doente, e foi a última vez que nos encontramos”, disse Hepizem Nizamidin, mãe de Aziz.

“Aziz não voltou para o funeral de seu pai, então ele não tem ideia do local onde ele foi enterrado”, disse Hepizem à CGTN. Aziz ligou de volta em dezembro de 2017 – a última vez que ouviram sua voz.

Hepizem e sua família temiam que um dia não encontrassem o túmulo em meio a tempestades de chuva e poeira. “Tivemos que atravessar as ruas lamacentas e sinuosas para chegar ao túmulo, sempre preocupados com a possibilidade de perdê-lo, pois todo o local estava sem vigilância”, disse a irmã mais nova de Aziz, Hvrlem Eysa.

A preocupação deles foi atenuada em abril seguinte, quando ouviram a notícia de que um cemitério padrão de concreto seria construído perto desses velhos túmulos. Naquela época, eles solicitaram e mudaram o túmulo de Eysa para o novo cemitério em dezembro de 2018.

“Estou certa de que meu marido agora pode descansar em um lugar pacífico e tranquilo, com flores ao redor”, disse Hepizem.