IRIS FM
91.4 FM
Mundo

Prisioneiros estrangeiros na prisão de Xangai pediram ajuda? Uma comédia absurda

Nos subúrbios de Londres, na véspera de Natal, uma menina comprou um cartão de felicitações na Tesco e, quando abriu a página interna do cartão, repentinamente percebeu que no cartão havia escrita uma mensagem de ajuda:

Somos prisioneiros estrangeiros na prisão de Qingpu, em Xangai na China. Fomos forçados a trabalhar contra a nossa vontade. Por favor, ajude-nos e entre em contato com um homem chamado Peter Humphrey

 

“Por coincidência”, o pai da menina entrou em contato com o britânico Peter Humphrey via internet, que tinha sido detido anteriormente pelo governo chinês e estave mesmo na prisão de Qingpu. O que  mais “coincidente” é que Peter Humphrey imediatamente escreveu um longo texto que foi publicado no jornal The Sunday Times.

 

Natal, direitos humanos, China, prisão… Ao ver estas palavras-chave, os meios de comunicação ocidentais começaram a exagerar.

 

Mas a realidade é sempre mais dramática que a ficção. Por trás das coincidências repetidas, o editor descobriu que o presente assunto não é tão simples. Existem inúmeras coisas estranhas sobre este “grande filme”.

 

Fazer notícias daquilo que se ouve e acredita

Objetividade de autenticidade? Não existe

 

Vamos ver o título da primeira notícia sobre o assunto, que foi lançada pelo The Sunday Times:

 

 

Cartões de caridade da Tesco  “embalados por escravos de prisão na China”

 

O Sunday Times usou a palavra slaves (escravos) no título para se referir a criminosos nas prisões, em vez de palavras comumente usadas para se referir a criminosos, como offender, culprit, prisoner. Antes que o assunto fosse esclarecido, o The Sunday Times mal pode esperar para acusar a China de “tratar criminosos como escravos”.

 

 

Vamos dar uma olhada na chamada “verdade” escrita por Peter Humphrey. Neste longo artigo, Peter Humphrey usa várias frases como “I consider” (Eu considero) e “I know” (Eu sei) para expressar posições subjetivas e suposições subjetivas. No entanto, não mencionou quase nenhuma evidência nem factos.

 

 

Não sei a identidade nem a nacionalidade do prisioneiro que inseriu secretamente esta nota no cartão da Tesco, mas tenho certeza de que eles são prisioneiros em Qingpu e me conheceram antes de eu ser libertado.

 

 

No Jornal The Sunday Times, ele explicou como saber se este cartão veio de uma prisão chinesa, da forma mencionada em cima e afirmou que não conhecia a identidade do prisioneiro. Mas numa entrevista subsequente à BBC, Peter Humphrey mudou de ideias:

 

Acho que sei quem ele é

 

 

A imgem da notícia do BBC

O que ele disse é tão inconsistente e contraditório que não sabemos se Peter Humphrey está a contar os factos, ou os seus “factos imaginários”? E os meios de comunicação ocidentais que relataram essas informações subjetivas e não verificadas, são responsáveis pela autenticidade das suas notícias?

Os jornalistas correspondentes da CCTV no Reino Unido, Wang Xuan e Chen Minglei, verificaram imediatamente as notícias dos meios de comunicação ocidentais no dia e descobriram que havia um grande problema de equilíbrio sobre o assunto:

Atualmente o maior problema dessas notícias é que as informações são unilaterais e basicamente foram entrevistadas apenas as vozes negativas.

Wang Xuan descobriu que, ao longo da toda notícia, nenhuma instituição chinesa ou pessoa relevante foi entrevistada.

O editor entrevistou Li Qiang, diretor da prisão Qingpu em Xangai.

“É absolutamente impossível que esses cartões tenham saído daqui. Isto é muito imaginativo, e contraria a nossa situação de transformação. (Transformação) é cultivar as habilidades dos criminosos. Primeiro, os criminosos são voluntários; Segundo, o projeto de um criminoso é baseado nas suas próprias características. Ele precisa de requerer para participar no trabalho. Terceiro, damos-lhe uma certa compensação de acordo com sua situação de trabalho”.

Ao mesmo tempo, os jornalistas da CCTV no Reino Unido também entraram em contato com a Tesco, que vende cartões de felicitações. A Tesco tinha discutido com a fábrica chinesa que produziu cartões e iniciou uma investigação. Nesse período, a cooperação com a fábrica chinesa será suspensa. A sua declaração escrita também fornece uma informação muito importante:

“Temos um sistema de auditoria abrangente e, no mês passado, esse fornecedor também passou por uma auditoria independente e não havia evidências de que eles violassem a proibição de uso de trabalhadores nas prisões”.

 

 

Essa deve ser uma base factual mais confiável para todo o incidente. Wang Xuan analisou:

 

1、O período da investigação foi no mês anterior.

 

2、O entrevistado é preciso, foi a fábrica chinesa que forneceu os cartões para a Tesco.

 

3、A instituição da investigação é de terceiros, é justa e profissional

 

Perante os resultados profissionais da investigação de terceiros, como é que os meios de comunicação ocidentais responderam? Vamos a imagem a seguir:

 

“Mas esse incidente destaca a dificuldade de monitorar a produção de produtos baratos na China. Na China, os subcontratos são comuns e trabalho forçado costuma ser difícil de detectar.

Quando a Tesco esclarece, é sempre seguida de um “MAS”, dizem que as auditorias das empresas não conseguem saber o que está a acontecer no sistema prisional da China, então não importa qual a explicação, é sempre inútil.

 

Os resultados da auditoria independente mostram que “não há evidências de que violem as regras que proíbem o uso de trabalhadores prisionais”, mas os meios de comunicão ocidentais fecharam os olhos.

 

Isso equivale a cair em um círculo estranho de lógica: confiar apenas em evidências que sejam benéficas para sua própria opinião, mesmo que a origem das evidências seja suspeita. Nesse ciclo fechado de “respostas predeterminadas”, o som da outra parte, não importa qual, é sempre ignorado.

 

Pode-se ver que, desde a redação ao alargamento seletivo e negligência dos factos, o objetivo de alguns meios de comunicação ocidentais é manchar a China. Eles podem não se importar com a verdade.

 

Fazer acusações infundadas é muito comum

 

É uma prática comum para alguns meios de comunicação ocidentais atacar o país de origem usando uma “carta de ajuda” cuja fonte é desconhecida e cuja verdade não pode ser verificada.

Em 2017, a Reuters revelou que uma consumidora em Braintree, Essex no Reino Unido comprou um cartão de caridade de Natal numa loja com uma nota chinesa que dizia “Desejo-lhe boa sorte e felicidade”, e também assinou “A Terceira Loja de Produtos da Prisão do Sexto Distrito de Guangzhou”. Mas, na fase de investigação forense, a equipa responsável pela investigação e verificação pode apenas dizer:

Não podemos verificar a autenticidade da nota

Mesmo que a autenticidade estivesse em dúvida, os incidentes mencionados acima ainda são amplamente divulgados pelos meios de comunicação ocidentais.

Desta vez é igual

 

O autor desta notícia, Peter Humphrey, foi entrevistado pela BBC a 22 de dezembro. Ao responder às perguntas dos repórteres, ele utilizou muitas palavras subjetivas, arbitrárias ou ambíguas:

 

I’m pretty sure(Tenho certeza); Obviously(obviamente); I think I know(Acho que eu sei)……

 

Os meios de comunicação ocidentais que sempre ostentam as suas atitudes em busca da verdade, objetividade e justiça, desta vez parece terem sofrido coletivamente de “amnésia”. Não tiveram tempo suficiente para verificar a verdade e ninguém investigou a verdade. Mas lançaram apressadamente uma “ofensiva da opinião pública”.

 

Lembra-se do incidente “camião com 39 pessoas” há mais de um mês? Naquela altura, a polícia britânica especulou que as vítimas poderiam ser chinesas com base em alguns passaportes falsos. Assim foi uma grande notícia. Quando foi relatado à BBC, “provavelmente” se tornou “com certeza” e “comprovado”. Outros meios de comunicação ocidentais se reproduziram uma após a outra e, quando se trata da CNN, torna-se “a China acaba de comemorar 70 anos de grandes desenvolvimentos e progressos, como ainda existem pessoas deixar a China dessa maneira extrema” – Mas, no final, as vítimas foram identificadas como vietnamitas, que os deixou bastante embaraçados.

 

Desta vez, a trama familiar foi encenada novamente. “pode”, “talvez”, “acho que sei”, mas não pode ser comprovado. Os meios de comunicação ocidentais ainda se recusam a abandonar o preconceito contra a China.

 

Não admira que Wang Xuan tinha dito que, durante tantos anos no Reino Unido, ela e os seus colegas já se familiarizaram com esse drama.

 

Negócios Anti-China também é uma armadilha

Peter Humphrey escreveu a notícia “exclusiva” sobre o incidente do “cartão de Natal” no The Sunday Times. Também foi publicado outro artigo dele, descrevendo como ele passou outro Natal numa prisão chinesa e um texto de interpretação de “especialista”.

 

No artigo, ele mencionou repetidamente a identidade de repórter e disse que foi preso por “irritar o governo chinês”.

 

Sim, ele era de facto um repórter da Reuters. Mas  quando foi preso na China, não era repórter da Reuters.

 

 

Em 2013, Peter Humphrey foi preso na China pelo crime de obter informações pessoais de cidadãos de forma ilegal. O seu negócio na China é superficialmente uma empresa de consultoria, mas é essencialmente um detetive particular comercial. A sua prisão não tinha nada ver com a sua identidade de repórter.

 

Então, por que se mencionou neste momento a sua identidade de repórter?

 

Obviamente, ele sabe muito bem que isso corresponde ao objetivo dos meios de comunicação ocidentais: manchar e demonizar a China. Eles conhecem muito bem esta armadilha, dando uma pequena dica e os leitores vão imaginar.

 

“Repórteres + irritam o governo”, isto dá aos leitores imaginação ilimitada.

Essa pessoa não é simples

Ontem, Geng Shuang, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, comentou sobre essa pessoa numa coletiva de imprensa:

 

Peter Humphrey não suporta a solidão, cria notícias de vez em quando, por medo de que as pessoas se esqueçam dele. Mas a farsa que ele inventou desta vez é realmente antiquada. Eu aconselho-o a apresentar pelo menos alguns truques novos, se quiser chamar a atenção.

 

Por que Peter Humphrey está sempre inquieto?

 

Na sua bio do LinkedIn, Peter Humphrey se descreve como “China Veteran” e “Political Commentator” e descreve os seus dois anos de prisão pela polícia de Qingpu de Xangai por comportamento ilegal.

 

Então, o que ele fez na China naquela altura?

 

Em julho de 2013, o ex-empregador de Peter Humphrey, a gigante farmacêutica GlaxoSmithKline, foi multada pelo governo chinês com uma enorme multa de 3 mil milhões de yuans por suborno. Depois, a empresa “contratou” Peter Humphrey para investigar o funcionário chinês que denunciou o suborno.

 

Peter Humphrey usou alguns métodos ilegais para obter informações pessoais do funcionário; No entanto, logo depois, Peter Humphrey foi condenado a dois anos de prisão pelo crime de obtenção ilegal de informações do cidadão e ficou na Prisão de Qingpu em Xangai.

 

Sobre Peter Humphrey, Li Qiang, diretor da prisão de Xangai Qingpu relatou:

 

Peter Humphrey cumpriu uma sentença na nossa prisão, tanto quanto sei, o tempo não foi muito longo. Durante a sentença, ele não se destacou muito. Se tinha alguma dúvida sobre o caso, podia apelar ao tribunal e fazer acusação, tinha esse direito. Mas no registo da sua fala não parece haver qualquer apelação.

Dois anos depois, Peter Humphrey voltou ao Reino Unido, mas espalhou a sua insatisfação com o julgamento do tribunal chinês. Mas a sua experiência de crime e detenção na China não foi considerada uma mancha na sua vida, tornando-se pelo contrário uma “riqueza valiosa”.

 

Nos anos seguintes, ele publicou artigos nos vários grandes meios de comunicação ocidentais por um longo período de tempo, divulgando a sua vida na prisão chinesa, atacando a China em várias questões relacionadas à China e obtendo uma grande quantidade de impostos sobre direitos autorais e taxas de manuscritos.

É relatado que Peter Humphrey está à procura de uma editora e está a preparar-se para publicar um livro de cerca de 1.000 páginas a contar a sua história de detenção pela polícia de Xangai, alegando que o incidente tem “influência internacional”

 

As dúvidas começam a surgir. Porque na nota estava escrito: entrar em contato com o Peter Humphrey? Porque o cartão de Natal foi feito exatamente pela prisão Qingpu de Xangai? Porque a resposta de Peter Humphrey foi ambígua?

 

Múltiplas coincidências não podem acontecer ao mesmo tempo, a menos que alguém o tenha feito deliberadamente, tenha direcionado ou se aproveitado.

Entre eles, algumas pessoas o condenam pelos seus motivos e outras estão a beneficiar-se. O “Anti-China” tornou-se uma ferramenta importante para algumas pessoas no Ocidente em busca de dinheiro ou benefícios políticos.